32 acordos em áreas como energia são firmados entre Brasil e China

923940-dilma_brics_china0002

Durante a recente visita do presidente chinês Xi Jinping ao Brasil como parte da 6a. reunião de cúpula do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), Brasil e China firmaram 32 acordos comerciais nas mais diversas áreas. Estão contemplados projetos em transporte, infraestrutura, tecnologia, comércio, educação e energia, além de linhas de financiamento para vários projetos regionais e diversos acordos operacionais, como facilidades na emissão de visto de negócios para cidadãos dos dois países, estímulo ao intercâmbios entre estudantes e o ensino de mandarim no Brasil.

Um dos maiores destaques desta rodada comercial, foi a assinatura de acordos para 2 importantes projetos na área de energia.

O primeiro acordo estabelece a base para a construção da usina hidrelétrica do Rio Tapajós. Foi firmado entre Eletrobras/Furnas e o consórcio responsável pela construção da hidrelétrica chinesa de Três Gargantas (China Three Gorges Corporation e CWEI Participações), a hidrelétrica chinesa é atualmente a maior do mundo em geração de energia e iniciou sua operação comercial em 2004, após 12 anos de construção. Em 2009, com a expansão para 26 turbinas, ultrapassou a brasileira Itaipu, passando a ser a maior usina hidrelétrica do mundo em geração de energia.

Construindo linhas de transmissão de ultra alta tensão

O segundo acordo na área de energia foi assinado entre a chinesa State Grid Corporation of China e a Eletrobras, com o objetivo de construir linhas de transmissão de ultra alta tensão, ou UAT, para a hidrelétrica de Belo Monte no Rio Xingu. A hidrelétrica terá capacidade de fornecer cerca de 10% da demanda energética do país e as linhas de transmissão são fundamentais na distribuição da capacidade gerada.
A tecnologia adotada minimiza perdas na transmissão e será a primeira linha de transmissão no Brasil com tensão de 800kV. Esta tecnologia promete reduzir entre 30% a 40% as perdas usuais em sistemas de corrente alternada e já é utilizado atualmente em duas linhas de transmissão no Brasil, Itaipu e Rio Madeira, entretanto ambas utilizam um nível de tensão mais baixo. A linha de transmissão de Belo Monte terá um trajeto de 2.100Km, saindo da Subestação Xingu, no Pará, e terminando na Subestação Estreito, em Minas Gerais, sem subestações intermediárias. A previsão de conclusão para o projeto é em 2018.

O crescimento do volume comercial entre os dois países passou de cerca de US$3 bilhões em 2002 para quase US$90 bilhões em 2013, e deve crescer mais ainda com a celebração destes acordos. O que consolida a posição da China como o principal parceiro comercial do Brasil.

Saiba mais


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *